Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O adeus é um difícil aprendizado.

Quando comecei a flagrar
De que menos me amar,
era a única forma de te encontrar.
Mas, nos espinhos da solidão.
Me desesperei,
agonizei na tarde com o verão,
Era ilusória a minha coroa de rei.

Antes imposição, que conquista.
Nessa dança, eu paraplégico na pista.
Te via enquanto a única protagonista.
Antes, hipnotizado por teu semblante,
eu surfava bastante,
Tuas ausências em nossos instantes,

E com a delicadeza de um artista.
coloria as suas dores de menina,
Desaforando profecias cabalistas,
te dando o riso luminoso, que o trauma não ensina,

Mas, quando a vida implora
E  não desaguamos aquilo que a alma chora.
Sopra o vento e de qualquer maneira,
Aquilo que nos olhos não é apenas poeira.

Lavando-me então embaixo da cachoeira,
No ritmo dos berimbaus de capoeira,
Ao vê-la amar quem a detestava,
e desprezar a quem a amava,
Te amar, tornou-se uma asneira.

Sem saber o que você entendia,
quando em silêncio, eu apenas te sorria.
Me intimidou os abismos de tua agonia,
E o desespero que escondias com ironias.
É ruim quando a mágoa, deságua na sede de vida,
Alimentando apenas feridas.

A nossa galáxia tornou-se um fragmento.
E tornou-se um pesadelo, o que antes fora puro encantamento.
Foi sofrimento, foi aprendizado,
te dizer adeus, com o meu coração no teu aprisionado.
BARTHES
Enviado por BARTHES em 08/09/2019
Código do texto: T6740273
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
BARTHES
Arapoti - Paraná - Brasil
477 textos (5742 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/11/19 02:59)
BARTHES