Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Outra morte.

Quando o vejo fico calado
Não sou guardião desse não-amado
Mas seus negros olhos olham pra mim
Não enxergo nada só enxergo o Fim

Toda a raiva encontra toda a indiferença
A ponta da faca não há fé que vença
Vida aquela ela nunca quis
Mas a criança com sua lâmina diz:

“Não há neste mundo alguém que me ame
Desde sempre tive esta fome
Se olham pra mim não vêem bicho nem gente
Deus cruel que me fez transparente”

À medida que a carne é rasgada
Mais um pouco a cidade é turvada
Na minha tripa cortada
Ilusão de vida rasgada

Não mais paciência têm os excluídos
Todos seus clamores não ouvidos
Caminhamos para a grande vala
Esta é a tal sociedade de que se fala

Destroem-se pontes destroem-se estradas
Ambas as vidas ceifadas
A criança que vira fera
E eu, que tenho a morte à espera

Enquanto caminho a ser outro morto
Fico em meus pensamentos ensangüentados absorto
O homem de branco decreta morte clínica
Sou agora estatística cínica

Mais um delito mais outro assalto
Virei apenas mancha seca no asfalto.
Thales Pereira
Enviado por Thales Pereira em 28/02/2007
Reeditado em 06/03/2007
Código do texto: T396934


Comentários

Sobre o autor
Thales Pereira
São Luís - Maranhão - Brasil, 32 anos
18 textos (777 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/09/20 08:51)
Thales Pereira