Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Adeus de Teresa

A primeira vez que vi Teresa,
alisei suas pernas por debaixo da mesa.
E, estupidamente pálida aos toques meus,
Teresa virou os olhos, me deu... e adeus.

Quando vi Teresa de novo,
achei que teria de inventar alguma desculpa por não a ter procurado,
mas Teresa tinha os olhos da mulher pós-Moderna, superior a qualquer [Machismo,
romântica, sim, mas adepta a certo Hedonismo, ao sexo casual,
com viola e versos de repente, sextilhas galopantes, oral,
sem compromisso e sem culpa.
Teresa dá porque tem vontade, porque sente desejo,
aquele mesmo irresistível desejo
tão positivo charme masculino,
                                                     tão pejorativo alarme feminino.
Teresa tem belas pernas e não é nada estúpida em mostrá-las...
Pernas-anzol, engodo, arapuca, as de Teresa,
que não é presa, nem caça, mas caça!
Teresa nunca foi Iracema, nem Imaculada,
nem Virgem Maria (Nossa Senhora, nunca seria!), nem qualquer [donzela...
Teresa não é nossa, nem de ninguém,
mas quem ela quiser será dela.

Da terceira vez, não vi mais nada.
Apenas compreendi que não fui eu quem a pegou,
foi Teresa quem comeu e nunca me ligou.
Saulo Pessato
Enviado por Saulo Pessato em 23/03/2015
Reeditado em 19/08/2015
Código do texto: T5180006
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre o autor
Saulo Pessato
Campinas - São Paulo - Brasil
2837 textos (65626 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/01/20 15:02)
Saulo Pessato