Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Sem violência, hodierno capitão

Lá está ele: a postos, imposto em seu posto,
Ansiando por fazer mais uma vítima,
Majoritariamente negro, nigérrimo sim!
Mas, só conhece sua história contada eurocentricamente.

Então, transveste-se de capitão do mato, incorpora o patrão opressor,
E lá vai ele, chicoteando, humilhando, amordaçando,
Violando até a alma do irmão de cor, de ancestralidade,
“Justiceiro” impiedoso, tem sangue nas mãos, realidade

A “liberdade” infame que tornou cativo, sem eira, nem beira
Também é sua sina traiçoeira, de infindável desigualdade
Companheira de jornada, de absurdos, iludido feitor, capitão do mato
Está a serviço da moderna escravidão?

Labuta, é preciso; ganha o seu pão, alimenta seu “menino”
Porém, sem violência e sem açoite, hodierno capitão!
Marcia de Jesus
Enviado por Marcia de Jesus em 12/09/2019
Código do texto: T6743381
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Marcia de Jesus
Salvador - Bahia - Brasil
96 textos (37868 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/09/19 09:07)
Marcia de Jesus