O Haiti é no Pelourinho

Eu já morei ali,

comi o pão que o diabo amassou, mas, resisti.

contrariando as estatísticas, estou aqui pra contar o que já vi.

No meu tempo de morada,

quem nada oferecesse,

não valia nada.

Como oferecer o que não tem,

era algo que eu não podia,

eu pelejava,

pra resistir na labuta

do dia a dia.

Vi uma mãe, desesperada escadaria abaixo,

Gritando pelo nome do filho, Tim.

que caído na calçada da baixa dos sapateiros,

agonizava.

foi vitima de bala encontrada.

A policia armada, o declarou suspeito

e tirou sua vida com vários tiros no peito.

Quando morei na rua das flores,

flores era algo que ali não se via,

a não ser aquelas que eu usava pra relaxar,

e me acalmar na selva de pedras,

pra sossegar naquela agonia.

Ali, o que se via eram.

copos cheios e mentes vazias,

não haviam flores mas,

pedras por todos os caminhos,

eu via.

Eu vi a policia plantando o terror na boca da noite,

dia e noite, noite e dia.

As pedras rolavam e o couro comia.

achava exagero quando foi comparada ao Haiti mas,

ao ver de perto tive que concordar,

o Haiti, é ali.