Cadeira Vazia

Parece que foi ontem a despedida

Na cadeira da sala diante de mim,

A receber a sentença que era o fim.

A olha-me como um réu sem defesa.

 

Um instante tenso, um segundo frio,

Não cabia pensar, nem ter calafrios.

Um momento único, decisivo e triste,

Teria que ser forte nada mais existe.

 

Engoli a dor que me esmagava toda

E olhando pra ti na cadeira da sala

Falei sem te tocar, parte será melhor.

 

Em silêncio sem contestar partiste,

Lembro até hoje pois a dor persiste.

Ao tocar de leve a cadeira vazia.