Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

MORTE PARA QUEM TEM SORTE


Eu,
fantasiada com a luz da aurora,
acendi o meu guarda-roupa
com meia-luz nas costas
e só, então percebi
o quanto cresci.
Sem mais meninice,
fiz uma fogueira das roupas cansadas
joguei querosene pelos trapos gastos
queimei coração, ensaio de balão
que subiu e quer descer
até amadurecer.


Eu,
acesa de sonhos e de ilusões,
desnamorei astros da tevê
apaguei a meia-lua azul
e, só, então acordei
por tanto dormir.
Sem mais meninice,
fiz da sensatez, memória dos diários,
gramática ruim do português amado
diária emoção, risco de mulher
que diz e quase cala
quando escreve.

Eu,
à-toa, ao alcance da janela,
desolhei o rumo da vida
calei a boca vermelha
do sol, do só imundo
sem caixa postal.
Sem mais meninice,
guardada em caras de fotos antigas
rasguei o rosto dos antepassados
que oscilam no peitoril suicida
do álbum que cai da janela
suspirando infância.


Djalma Filho
Enviado por Djalma Filho em 11/04/2005
Código do texto: T10857
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre o autor
Djalma Filho
Salvador - Bahia - Brasil
662 textos (20851 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/05/20 19:18)
Djalma Filho