Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O QUERER

Pontua em mim o abrolhar de um novo querer.
Não sei qual. Não sei como. Nem sei sua cara,
se barba, se tem o fulgente semblante da serenidade,
se cara tem. Aparece como em pentagramas.
Pontos negros, espalhados pela fervura que anima;
vem de algum fundo, e esparge como o que flutua.
Cogumela por entre nossos corpos.

Traz o que se produz em campos infinitos e desconhecidos,
de onde nada sabemos,
a não ser que enraízam por um tempo de sofreguidão.
por mais êxtase portem.

Embriaga-nos com seu sorriso. Seduz-nos  seu olhar.
Mas, pior, obriga-nos a um sofrimento do cumprido.
Se houver o não, haverá a destecedura do provável.
Inexiste o ponto de partida, e o findar em esteios.

O querer é o flamívolo que deita em nossas delicadezas.
O querer nos move à vida. Seja lá como a vida se desdobrará.
O querer não toma conta. Torna-se.
Assume-a em lugar de nós.
Não como posse da terra, mas como a terra.

O querer não resplandece, ele é  sempre.


2006
alfredorossetti.com
ALFREDO ROSSETTI
Enviado por ALFREDO ROSSETTI em 18/02/2006
Reeditado em 20/10/2015
Código do texto: T113270
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre o autor
ALFREDO ROSSETTI
Ribeirão Preto - São Paulo - Brasil, 69 anos
143 textos (2412 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 14/04/21 06:09)
ALFREDO ROSSETTI