Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Bastidores

Não. Não vou sentar à tua sombra para ouvir soluços
Quem muito chora nem sente a própria lágrima
Não percebe a mudez de um olhar obscuro
Nem desfaz o choro por não saber a hora

Há algo estranho no exagero em querer
Sonhos invadem, vivem, às vezes, mudam
Trocam de órbita, de ritmo, de postura
às vezes morrem ao nascer da aurora.

Não. A noite é escura e a Lua, cúmplice
Em cada estrela há um piscar dolente
Se me ativer a este rogo inútil
nem viro orvalho e nem madrugo

Então me escuta. Guarda este lamento
para a derradeira hora. A verdade galopeia
e muito. Reserva tuas águas para a imensa vaia.
Já que a platéia em surdina, goza.
Dora Leal
Enviado por Dora Leal em 15/01/2005
Código do texto: T1660


Comentários

Sobre a autora
Dora Leal
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil
510 textos (26741 leituras)
1 e-livros (38 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 27/11/20 20:53)
Dora Leal