Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

AS ERVAS DANÍFIRAS DO SONHO

                  As Ervas Danífiras do Sonho

Regadas a crepúsculos
e serenos nos terrenos da noite,
                sem açoite ou lâmina que lhes corte
                 o broto, deixando-nos meio roto
                   meio torto, meio broto, absorto
                crescem as ervas que aqui exponho
em dano, nas lápides do homem insano,
derivadas todas elas do sonho

                                         onde nascem crescem
                                 pairam e fenecem
                   arbitrariamente no signo
       sempre prontas para seu novo ciclo
       com seus espinhos e sua seiva
                fazendo selva fazendo névoa
                    fazendo trégua em meio a guerra                         jazem aqueles que te cercam
                             
com seu bateau ivre
finca pela usina de tédio
e no almejo de ser livre
usurpa meu intermédio

                                  neste assédio, neste clero
                   que propõe nero ao meu império    e não quero cortar, arrancar tua raiz               pelo que fiz, no meu palco sois atriz

embala a noite em pacote verdejante
espalha pelo tempo velocidade da luz
relâmpago que se esconde faiscante
frente a trópicos de anseio suor e pus

                                  jugular medonha e pulsante
                              antes que me acorde,      em trago da tua seiva errante,
         e um corte dos teus espinhos quentes
              para fervilhar os pesadelos decadentes
      e ousar encontrar deus em sua semente

vós ervas danífiras do sonho
sois safiras que conscientemente escondo
   em cárcere alucinógeno e medonho
e que espinho por espinho vou pondo
nas paredes de um descontrolado cérebro
que às margens da via Láctea torna-se ébrio

                                        e quanto mais cutuca
                             mais caduco, mais astuto
                 quanto mais figura, mais feitura
                 mais medo tenho da altura                   mais alto vou a pés mil                         para lançar-te em teu                             veneno cordialmente vil
Celso Godoi Neto
Enviado por Celso Godoi Neto em 03/07/2006
Código do texto: T186802


Comentários

Sobre o autor
Celso Godoi Neto
Porto União - Santa Catarina - Brasil
76 textos (4588 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 30/03/20 13:34)
Celso Godoi Neto