Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O CAMINHO DAS PEDRAS

Invisível, diante de mim,
havia uma pedra imensa que
quase me arrancou o tampo do dedo.

Não consegui nem driblar os versos do Drummond!

Não fiquei indiferente,
e nem poderia ficar,
já que o sangue avermelhava o chão
enquanto impropérios saiam, impunemente, pela boca.

Sua forma era de pedra,
mas sua consistência, não!
Seu sentido exato por ali estar,
provocou-me reações
perfeitamente humanas.

De tanta raiva,
por tamanha distração,
deu-me vontade de chuta-la para longe
e, masoquistamente, aumentar minha dor.


Mas, ao sentir-lhe tão imprevisível,
cheguei a desconfiar da disposição
das pedras soltas pela terra
- apesar de sua forma em existência -
e dela ouvi um rumor sólido do destino
seco, choramingado pelo desatino
de ter-me provocado humano e imperfeito
ao condoer-me, egoísta, esvaindo sangue.

Apaixonei-me!
Quis, naquele momento,
ser pedra apesar de desumano.
Apaixonada,
ela, a pedra, apesar da consistência,
tentou tomar a forma das imperfeições.
Djalma Filho
Enviado por Djalma Filho em 06/06/2005
Código do texto: T22412
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre o autor
Djalma Filho
Salvador - Bahia - Brasil
662 textos (20942 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/08/20 20:07)
Djalma Filho