Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ESFINGE

Foi assim que nos encontramos,
quando eu a vi.
Foi logo se pintando.
Céu de mil e uma cores.
Se despindo,
dos véus de seda e de cetim.
Se abrindo como uma rosa
no jardim.
Foi logo saindo de si,
consciente da beleza que é,
E sonhou na varanda,
sonhos de amor
e sensualidade,
admirações para o infinito . . . .
Tinha nos olhos
o que ia  por dentro de si.
Fogo nos olhos de animal
que me disseram:
ou me decifras ou te devoro;
sou mulher,
sou corpo e universo.
E eu a presenteei com as luzes,
dos meus olhos
o cheiro da minha pele,
cores e formas
Despenteei os anéis dos seus cabelos
e perdido neles eu a beijei,
ela esfinge, eu peregrino,
e nos devoramos como dois animais.
Só depois eu a decifrei
e para ela eu escrevi mil versos.
Marco Bastos
Enviado por Marco Bastos em 11/07/2005
Reeditado em 02/10/2008
Código do texto: T33056
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre o autor
Marco Bastos
Salvador - Bahia - Brasil, 76 anos
1733 textos (97370 leituras)
2 áudios (533 audições)
1 e-livros (803 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/10/20 05:42)
Marco Bastos