Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

NÃO  PODIA TERMINAR  ASSIM ...

Graça da Praia das Flechas

Era para ser diferente
Tu, compositor e louco
Eu, poeta insana e delinqüente
Formaríamos uma dupla
Que espantaria muita gente.
Eu acreditava num Amor derradeiro
Tão tórrido como se fosse a paixão primeira.
Eras meu Nobre Vagabundo
Por ti eu andaria meio mundo.
Não me entendestes então
Acabei na mais fria solidão.
Perdestes tua mais ardente Mulher
A Amante que todo homem deseja e quer.
Sei como me fazer amada
Para mim não existe noite
Dia ou a mais fria madrugada.
Sou Fêmea que ao Homem vicia
Sou droga que contagia
Perita em todas as fantasias.
Sou fonte de puro prazer
Queria a ti, enlouquecer
Não te arrependerias jamais
Da loira que a ti amou demais.
Eu era a "Graça" do seu despertar
Aquela que fazia
Teu coração vagabundo
De tesão trabalhar.
Agora, perambulas não sei por onde
Minha pena por ti não mais se esconde.
A dor que sinto
Tenho certeza que sentes também
Pois o que entre nós acontecia
Só nós sabíamos, meu bem.
Mas, de repente tu te calastes
Não me dissestes o porquê
Apenas deixastes este vazio cruel
Como um facão cravado em meu peito
Matando esta Messalina do papel.
Cada vez mais desconfiada
Vou seguindo minha jornada
Segurando meu coração ferido nas mãos
Em sangue esvaindo-se
Vertendo-o gota a gota
Empoçando-se aos meus pés
No imundo deste frio chão.




Direitos Autorais Reservados ®
*** Campanha pelos Direitos Autorais
na Internet ***
Autoria Registrada.
NITERÓI-RJ

GRAÇA da PRAIA das FLECHAS
Enviado por GRAÇA da PRAIA das FLECHAS em 17/03/2007
Reeditado em 17/03/2007
Código do texto: T416450


Comentários

Sobre a autora
GRAÇA da PRAIA das FLECHAS
Niterói - Rio de Janeiro - Brasil
539 textos (137239 leituras)
36 áudios (31138 audições)
1 e-livros (168 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 01/10/20 11:07)
GRAÇA da PRAIA das FLECHAS