Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Epicuro



O meu próprio funeral
Como será?
Quem estará lá?
Sobreviverei?
Será a morte um final?

O medo da morte
É perda de tempo,
Estado de espírito errado.
Importa a vida aqui,
Aprender e ser feliz,
Simples e gentil,
Pequena criança aprendiz.

Nada de luxo ou luxúria,
Muito moderado,
Escrevendo e caminhando,
Como Lucrécio cantou.

Quando a morte vier,
Não estaremos lá,
E os átomos separados,
Divididos, desconectados,
Como em tempos passados,
Antes de nascidos, esquecidos,
Tal como éramos, despreocupados:

" Eu não era, fui; não sou mais;
não me importo".

E se a morte vier com a dor,
Boas memórias podem afetá-la,
Estoicos seremos,
Felizes a transporemos.


Nagib Anderáos Neto


Nagib Anderáos Neto
Enviado por Nagib Anderáos Neto em 02/06/2015
Código do texto: T5263620
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autoria de Nagib Anderáos Neto www.nagibanderaos.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Nagib Anderáos Neto
São Paulo - São Paulo - Brasil
371 textos (94983 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/06/19 13:39)
Nagib Anderáos Neto