Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Luto pelo lugar comum

Será que esses filhos apáticos
De noras sem genro
Vacilam ao fingir esse sorriso de mandíbula aberta?
Pergunto, pois ao sentir o vento cortar,
Pelo menos no meu caso
Não há carrossel, não há mágica,
A vida vira uma praga
E o alivio não aparece no grito



Luto para manter o gênio difícil
Inquieto, amargo eu vigoro
Ontem, pela primeira vez,
 eu senti um medo contido
 - Oh, rapaz, não me venha com essa!
Sem poder, a vizinhança que te vê,
Até dá licença para o louco agir
Mas não se espanta pela energia entalada


Não se espante se a decisão for dormir
Há um alivio ali, não é caro e nem cura
Amigo, só sei que se o jeito for a farmácia
Fecha os poros e siga
Fure os olhos e sonhe
Em coma, pergunto,
o que é mais uma escuridão?





Michell Niero
Enviado por Michell Niero em 15/06/2007
Código do texto: T528104

Comentários

Sobre o autor
Michell Niero
Osasco - São Paulo - Brasil, 35 anos
37 textos (3186 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/05/21 00:08)
Michell Niero