Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Revoada...

Sopro da brisa no rosto
O caminhar do sol em meu corpo
O lamber da luz me conduz numa dança...
Passos que desconheço
No bailado da vida...
Em minha alma
Vivo para aprender
Que nada é definitivo...
A nuvem esconde o sol
E se não vejo a luz .... Ainda sinto o calor!
Se faz preciso eliminar a visão
Para enxergar o óbvio.
O milagre do tempo me renova...
Tenho as asas molhadas
Ao sair do casulo...
Mas ainda são asas!
Vou tentando um voou mais firme
Trôpega no meu querer alçar os céus...
Sustento minhas asas ainda molhadas
Mais ainda assim, asas!!
Compreendo minha fragilidade de ter....
Asas, feitas de papel
O vento me leva, flutuou a mercê,sem lutar...
Para me transformo em pleno voou
Em fênix brilhante
Nunca destruída, só levada a metamorfose...
Numa entrega de vida e morte, morte e vida, vida e...
Sem destino, a luz por vezes cega
O olho desprotegido
Então fecho os olhos e sinto
O sopro da brisa no rosto...





Observadora
Enviado por Observadora em 20/11/2016
Código do texto: T5829777
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2016. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Observadora
Salvador - Bahia - Brasil, 53 anos
502 textos (28061 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/11/19 20:08)
Observadora