Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Soneto VI

Proclama-te a Satã, moça
Peça a teu rei o que desejas
Ainda terá os dias pra que percebas
Como és medíocre, tu e teu rei trouxa.

Proclama-te a teu Deus do Céu, bom homem
Reze, venere a ele, submeta ao improvável
Verás o quanto és, tu e ele, lastimável
Peça a ele o que teus filhos comem.

Proclama-te voz, meu caro leitor
Conhecedor de muitas minhas intenções
Mas proclama-te, como eu, a teu interior.

Nada é tão importante quanto vós e vossos corações
Acredite em ti, coragem, e já és, assim, vencedor
Fuja, meu caro leitor, de falsos dogmas e ilusões.
Júnior Leal
Enviado por Júnior Leal em 14/03/2005
Reeditado em 30/03/2005
Código do texto: T6602


Comentários

Sobre o autor
Júnior Leal
Lagoa Santa - Minas Gerais - Brasil, 35 anos
958 textos (33183 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/08/20 15:40)
Júnior Leal