Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Uma vez, uma rosa


Notei uma rosa largada
No longo caminho de casa
Ao lado de alguém sozinho
Sentados no chão da calçada

Na rua, o vento zunindo
Dos carros velozes passando
Correndo, fugindo, buscando
Saírem do seu labirinto

No espaço, o sol ia gritando
No instante em que se dissipava
Ao passo que a nuvem mais negra
Do alto, nos ameaçava

O rosto entre mãos encrespadas
Calçado com rotos sapatos
A calça com listras rasgada

Um chapéu, onde há uns trocados

Mas quem poderia ter dado
A ele a rosa encarnada
A qual, de tão inusitada,
Traria emoções do passado?

Que bomba o teria implodido?

Seria palavra ou ato
Teria, então, ele esquecido?
Seria um sonho ou um fato
Que o havia, afinal, destruído?

Um vento soprou meu enfoque
Meus olhos fecharam ardendo
Percebi o ardor fenecendo
Sentindo o frescor do seu toque

Parei sem saber, sem pensar
Co´as idéias pairando além
E fiquei simplesmente a olhar
Quando ele me fitou também!

E, mudo, com o corpo gritava!
Punindo com olhos febris
Cansados, mas algo infantis
Num choro que não controlava!

Pensei, então, dar-lhe dinheiro
Uma pena que não podia!
Pensei, depois, em abraçá-lo
Mas eis que não pude, tampouco

Apanhei a rosa do chão
E a prendi fechando sua mão
Olhando no fundo dos olhos
Raivosos, medonhos, vermelhos
Sentindo em meus olhos também
O choro que dele comprei

Mas, eis que me ergui de repente
E fazendo com o corpo uma curva
Parti impetuosamente
Sentindo as gotas de chuva

E a pele se fez congelada
No peito explodindo dormente
Tanta dor a troco de nada?!
“Por quê?!”, perguntei finalmente

D.S.
Djalma Silveira
Enviado por Djalma Silveira em 26/09/2007
Código do texto: T669377

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Djalma Silveira
São Paulo - São Paulo - Brasil, 49 anos
267 textos (10570 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 14/12/17 23:40)