Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A HISTÓRIA DO CONTO POPULAR EM VERSOS

A HISTÓRIA DO CONTO POPULAR EM VERSOS (por JOSUEL SANTOS)


Os fatos que aqui vou dizer,
E que vão se propagar;
Narram à história,
Do conto popular.

Preste muita atenção,
Pois é de fundamental importância;
Para a sua aculturação,
E relevância.

O conto é um tipo de narrativa,
Que se opõe pela extensão;
E por sua brevidade,
Na sua estrutura causa implicação.

Reduz o número de personagens,
O espaço e o tempo perdem a concentração;
Decorrendo de forma linear,
Chamando a sua atenção.

Embora o conto hoje seja uma escrita,
Bastante utilizada;
Sua origem simples, por muitos é desconhecida,
E precisa ser propagada.

Na verdade te explicarei,
Sem nenhum homônimo;
Que o conto veridicamente nasceu,
De um povo anônimo.

Em relato a sua simplicidade,
Sem nenhuma pretensão;
Chegou destinado a ocupar o lazer,
De uma humilde população.

Um contador de histórias,
Narra a um auditório reduzido;
Um episódio interessante,
E bastante familiar;
Com um pretexto de atrair atenção,
E que da história venham a gostar.

Constrangido com o tempo,
A sua história não pode alongar;
Pois tem que ser curta e breve,
Para a assembléia não cansar.

Dada a sua origem popular,
O conto que aqui propagamos;
Não tem um autor fixo a originar,
Esta obra que já dura por muitos anos.

Constituído por uma criação coletiva,
Dado a cada contador;
Que introduzia pequenas alterações,
Tornando-o facilitador.

Já dizia o ditado,
Que é muito popular;
“Quem conta um conto,
Tem sempre um ponto a aumentar”.

Vamos ainda reforçar,
Que os contos de hoje;
Não vêem a se igualar,
Com os que eram transmitidos oralmente antes,
De geração em geração a passar.

Em primeiro lugar,
O seu registro por escrito;
Teve que ser re-elaborado,
Pois em segundo lugar,
O seu código lingüístico
Teve que ser acompanhado.

Os interesses intelectuais pelo conto,
Foram no século XVII em 1967;
Quando CHARLES PERRAUT publicou,
A primeira recolha de contos que se espalhou.

Os primeiros contos a serem publicados,
“A GATA BORRALHEIRA, O CAPUCHINHO VERMELHO e O GATO DE BOTAS”;
São hoje tão conhecidos,
E bastante falados.

Este interesse pela literatura popular,
Acentuou-se no século XIX crescendo mais;
Quando os irmãos GRIMM e HANS CHRISTIAN ANDERSEN,
Esta literatura na ALEMANHA e DINAMARCA vieram a se espalhar.

Em Portugal vieram a se destacar,
Os parentes mais próximos,
Do conto popular;
Com o Romancista ALMEIDA GARRETT,
E os investigadores TEOFILO BRAGA, ADOLFO COELHO, LEITE VASCONCELOS e CONSIGLIERI PEDROSO;
Que estudavam esta literatura, de modo cauteloso.

A estrutura do conto de hoje,
É simples como a primordial;
Possuem “ERAM UMA VEZ” no princípio,
“E FORAM FELIZES PARA SEMPRE” no final.

Caracterizando a sua forma estrutural,
Temos “ORDEM EXISTENTE”
Como situação inicial.

Na “ORDEM PERTUBADA”,
O equilíbrio é desfigurado;
Dando origem a uma série de peripécias,
E sendo retificado.

Após tudo isso,
A ordem é RE-ESTABELECIDA;
Sem mais perturbação,
Acalmando novamente o ambiente,
Para melhor compreensão.

A característica dos personagens,
É um dos pontos principais;
Possui um vilão a negativar,
E um herói bom demais.

Assim passa-se uma história,
Onde existe o bem e o mal;
Que geralmente terminam,
Feliz no final.

Os contos tradicionais,
Estão carregados de simbologia;
Dizem mais do que parecem dizer,
E a evidência se referencia.

Em um conto, veja como os símbolos,
São bastante referenciais;
A “rosa” aparece como símbolo do amor,
O “beijo” faz renascer;
A “heroína” é sempre a mais nova,
Por isso tão pura e inocente vêm a ser.

A importância do conto,
É clara e evidente;
Preencher os tempos de lazer,
Fazendo a todos contentes.

Propor aos leitores ou ouvintes,
Modelos de comportamento individual;
Para que retifiquem as suas atitudes,
Como elemento principal.

Transmitir os valores,
E concepções deste imenso mundo;
Fazendo-nos refletir,
Sem cair em um abismo profundo.

Já transmiti os valores,
De uma tão importante forma,
De uma tão emocionante aculturação;
Agora é com você,
Entrar para este mundo de informação.


AUTOR:

JOSUEL SANTOS DA TRINDADE
                                                                                                 POETA
PARELHAS-RN


Todos os direitos autorais reservados a JOSUEL SANTOS















JOSUEL SANTOS (O POETA DO CORAÇÃO)
Enviado por JOSUEL SANTOS (O POETA DO CORAÇÃO) em 27/09/2007
Reeditado em 27/09/2007
Código do texto: T670618
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (CITE O NOME DO AUTOR ( JOSUEL SANTOS) E DIVULGUE A ORIGEM E OS CREDITOS DEVEM SER ATRIBUIDOS A MESMO.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
JOSUEL SANTOS (O POETA DO CORAÇÃO)
Parelhas - Rio Grande do Norte - Brasil, 30 anos
137 textos (39781 leituras)
2 áudios (250 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/12/17 19:56)
JOSUEL SANTOS (O POETA DO CORAÇÃO)