Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O DIA QUE O AMAZONAS SECOU

O QUE O AMAZONAS SECOU

De sede está morrendo
De fome e de tristeza
Pelo fim de sua fartura
Nos solos com rachaduras
Se foi imensa riqueza

O rio seca e a terra racha
O povo morrendo a fome
Enquanto é socorrida
Aquela gente sofrida
A angustia lhe consome

No jardim paradisíaco
Eva comeu a maçã
Aconteceu o pecado
Naquele solo rachado
Não nasce a mesma manhã

A beleza se perdeu
O sol não é mais colorido
Só a sombria  morte
Levando toda a sorte
E só deixando gemido

Muitos prantos derramaram
Ao vê o Globo Repórter
Exibir aquela imagem
A desgraça da paisagem
Amontoada de morte

A historia se perdeu
A lenda do paraíso
A era se dividiu
O mundo que nunca viu
Acreditar é preciso

Penetrar no coração
dos filhos daquela terra
do mundo que assistiu
é mais um luto Brasil
dessa nação que tanto erra

Pois nada na terra é eterno
Como Deus nosso senhor
Tudo precisa ser cuidado
Só um patrimônio preservado
Renderá tanto valor


O gigante esplendoroso
Hoje está desidratado
Tão grande é sua doença
Que afetará a consciência
Daquele vilão culpado

Daquele que contribui
Com grande desmatamento
Devastando a floresta
O bem que ainda nos resta
Sem nenhum constrangimento

Sem um conceito de vida
Um instrumento do mal
Agride o meio ambiente
Com queimadas poluentes
O desequilíbrio é total

Num país irresponsável
Que não cuida do que tem
Desconhece o sustentável
Achando insuportável
Pela cobiça que tem

Ele vende a própria vida
Na ganância do poder
Não luta para preservar
Quando tudo isto acabar
O que é que vai fazer?

Autor: José Caetano P. Sousa
 
Laranjal do Jari,05 de outubro de 2007










CAETANO PAVÃO
Enviado por CAETANO PAVÃO em 08/10/2007
Reeditado em 27/02/2011
Código do texto: T685923

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
CAETANO PAVÃO
Laranjal do Jari - Amapá - Brasil, 64 anos
18 textos (11887 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/17 21:30)
CAETANO PAVÃO