Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

SONO SEM PARADEIRO

Acordou morto bem cedo.
Dormiu sempre e até tarde
o sono sem paradeiro,
cadência ou amor próprio.
Usou de um bocejar fúnebre
com hálito de flores vencidas
como seus cínicos troféus.

Acordou morto dos olhos.
Tinha na vista a sutura
e ainda assim as imagens feriam
sua retina através das fissuras
do seu planeta ocular.
Ele não lia a luz, capturava,
e o que ele prendia o fotografo
nunca capturaria em sua lente.

Acordou morto da débil voz.
Cuspiu um estalo-chiado
de fanhas cordas vocais
amarradas ao velho cais.
Perdeu esse som pro mar
entregando sua nau aos sais.
Mudos urros estéreis.
Jamais as ondas ouvirão.

Acordou morto da vida.
Não conseguiu aceitar que vivia
e por assim ser quis morrer.
Fingiu ser finado em vida
pra ver se viveria pra crer
que realmente tinha morrido,
mas sempre dormia vivo
pra morrer no outro dia.


conheça meu blog
WWW.IDEIADEJERICO.COM
André um Jerico
Enviado por André um Jerico em 14/10/2007
Código do texto: T693940

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Andre Barbosa de Oliveira www.ideiadejerico.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
André um Jerico
Monte Santo de Minas - Minas Gerais - Brasil, 47 anos
56 textos (824 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 12/12/17 18:29)
André um Jerico