Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Realidades irreais

Sou como as fumaças que se consomem aos ventos embriagadas pelo fogo que lhes dá vida!
Encosto-me ao lado destas minhas amigas insanas pelos alambrados das ruas chorando também minhas chamas desfeitas...
Vejo prenúncios de fins do que nunca existiu além dos olhos de quem via!
Vi só...

O despudor do sol traz um vento morno que, sem pedir licença, seca  até minhas lágrimas que tão boas eram de chorar!
O rosto enxuto ensaia o personagem do dia
Mas lá dentro nada mudou,
As dores brincam com os filhos das chagas,
Delírios risonhos correm por corredores escuros,
A rotina se repete,
Tudo está no mesmo lugar...

Só o espaço da dor diminui ocupado pela claridade do dia que chega invadindo a noite que reluta em despedir-se...
A luz dissipa até a companhia dos amigos fantasmas da escuridão,
Resta só a claridade apontando caminhos para estes joelhos trôpegos que só queriam descansar da angústia

Os  delírios do dia substituem os da noite insistindo que são  realidade...
De fato são...
Apenas do dia...
A da noite é só dela e a minha, só minha!

Loba Luares Líricos
Enviado por Loba Luares Líricos em 16/10/2007
Reeditado em 25/10/2010
Código do texto: T696371

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Loba Luares Líricos
Ponta Grossa - Paraná - Brasil
32 textos (2162 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/12/17 21:11)
Loba Luares Líricos