Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

REFLEXÃO POÉTICA

Pudera meu brado achar refúgio nos céus!
Avareza acua milhões na inanição.
Animais brutais! Escarnecem da multidão de crianças,
Pequeninas! Sucumbem na tumba da fome...
Meu coração derrete no lume da desolação
Minhas lágrimas são puro sangue no anonimato
Secaram, extintas como os rios e lagos
Meu palato recusa os sabores, aflito estou!
Espécies, mas que depressa esvaecem do planeta.
Shakespeare! Blasfemou do amor na sua dramaturgia
Impondo paradigma na efêmera dedicação de Romeu e Julieta
O amor edifica e jamais se destrói!
Humanos emanam coletiva letargia.
Pudera ecoar nos continentes o grito do poeta descontente.
Músicas? Nossas fêmeas tratadas pejorativamente...
Pura adoração dos incultos procotós.
No toque descuidado de uma borboleta...
Anseio a sintonia com o reino animal.
Na fragrância suave de uma flor, ao beijá-la,
Desejo a simbiose com o domínio vegetal.
Sonhadores! Os poetas são loucos?
“Vós sois o sal que preserva a Terra!”

Nós...
Jeovane Pereira 
                                  
                                  
                         Sois o sal da terra e a luz para o mundo, 
                         São essas palavras de Nosso Senhor, 
                         Se amares a justiça e o desapego,
                         Jamais sofrerás nem sentirás dor, 
                         Levando a palavra de DEUS, 
                         Assim viverás e terás a recompensa, 
                         E não mais viverá a desolação,
                         Aquela que muitos desejarão,
                         Mas vivem na incoerência,
                         Na destruíção e desobediência,
                         Portanto amigo o que te digo,
                         Traga-o sempre em seu coração, 
                         Que viva somente o amor, 
                         E na sua vida trabalhe o perdão,
                         Poetas são loucos e sonhadores todos são,
                         Mas por suas bocas as palavras se vão,
                         Levadas ao vento são espalhadas,
                         Em algum lugar germinarão,
                         Seus frutos no futuro se verão.

                         Negra Poetisa

Agradeço meu Amigo e Poeta 
Jeovane Pereira pelo belo texto
escrito a mim enviado.
                                                            
Negra Poetisa
Enviado por Negra Poetisa em 23/10/2007
Reeditado em 28/11/2007
Código do texto: T706118

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Negra Poetisa
Porto Seguro - Bahia - Brasil
343 textos (21256 leituras)
14 áudios (922 audições)
3 e-livros (354 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/12/17 15:00)
Negra Poetisa