Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Velha sorte

Aquela boca

repleta de meios sorrisos tristes

me deixa com preguiça

de terminar poemas,

mas não fico cabisbaixo.



É como cair lentamente em seus braços.



Meu violão empoeirado

encostado ao lado do guarda-roupa

é um jeans com rasgos no joelho

que não me cabe mais.

A aguardente envelhecida

lá em cima do armário

me olha de lado

e eu finjo que não sei de nada.

Na verdade, não é artimanha

da minha parte.

Não sei de absolutamente nada.

Saber destruiria tudo.

A graça está em buscar, sempre.



Onde eu irei parar?



A janela do quarto

brilha de forma irritante e

me diz que não vale a pena

ter um coração

onde deveria repousar o meu cérebro.

Então me cubro

com lençóis verdes

e espero que

sentir tanta coisa ao mesmo tempo

um dia me liberte

da fraqueza adquirida por apenas existir.
O Bêbado
Enviado por O Bêbado em 30/10/2020
Código do texto: T7100152
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
O Bêbado
Olinda - Pernambuco - Brasil, 32 anos
132 textos (3307 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/09/21 22:34)
O Bêbado