Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Cárcere voluntário

Perguntam-me porque não escrevo versos
Ora, um poema lido é um poema completo
Seu corpo - a linguagem
Sua alma - o conteúdo.
Meu espírito fragmenta-se nessa leitura e
Oferecer-te versos meus seria como
Presentear-te um cadáver
Somente a inércia e a frieza da carne.
O corpo do poema alheio é toda a geografia
De que preciso para expandir meus limites
Enquanto minha alma deles permanecer cativa.

18/11/07
Ruiva da Noite
Enviado por Ruiva da Noite em 18/11/2007
Reeditado em 19/11/2007
Código do texto: T742213
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Ruiva da Noite
Santa Cruz do Sul - Rio Grande do Sul - Brasil, 49 anos
12 textos (9505 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/12/17 15:18)