Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

I

Não tenho em mim a passividade bucólica do pasto.
O pasto cresce e é o pasto,
E é suave.
Mas a natureza do pasto é a de ser suave, e a minha natureza é a de ser rude,
Agressivo e furioso.
Os homens que buscam assemelhar-se ao pasto,
Que buscam o crescer no campo tranqüilo, são tristes, minha irmã,
Porque não é da natureza desses homens o crescer no campo, em guerra, sobre os ombros das tempestades mornas e trançadas,
Mas sim coisa outra, que é estar de acordo com a natureza dos homens, e ser o que o coração adverte, tão somente.
Sou rude, agressivo e furioso, e por isso ando em paz comigo e com minha natureza, já que os dias todos me ordenam a sê-lo.
Tenho que devastar o campo simplesmente porque assim sinto que devo fazer, sem que para mim o devasta-lo tenha verdadeira utilidade, ao menos não que o saiba.
“Pensar em devastar campos por nada é criminoso”, disseste uma vez.
Mas ninguém pode dizer o que é ou não criminoso entre os homens sem conhecer a finalidade dos homens no cosmo vasto,
Na ordem bêbada do universo,
Porque a partir da finalidade sabe-se o que é bom e mau, já que o que é bom aproxima da finalidade, e o que é mau, afasta.
Mas desconhece-se o porquê de um homem,
Da mesma maneira que se desconhece o porquê de uma brisa ou dos hemerocales,
E dessa maneira não há utilidade nos salmos que lês à noite, exceto que vivem e são belos,
E mais coisa nenhuma.
Sou furioso, agressivo e rude, devastador de campos, mas ainda capaz da beleza.
De produzir minha própria beleza e de apreciar outras belezas distantes ainda,
Como o topo roxo de um cogumelo ou a caixa sóbria de deus que é o teu salmo.
Aceito meu destino de ser rude, agressivo e furioso, como uma mulher feia e grande decide ser bela por razão de existir simplesmente, porque é belo o existir,
Ou como o suicida decide-se pela morte quente, porque também é belo o não existir,
O pairar do nada, vacilante e atormentado, a mãe e o berço dos girassóis loucos, dos campos dementes pelos quais me incriminas,
Do trigo calado e de todo o mais que tu e eu percebemos enquanto passeávamos ainda hoje pela manhã,
Debaixo do sol que ardia próximo demais para que se percebessem as verdades e as mentiras no discurso da terra.
Tu pensas ser a exatidão do gato que nos acompanhou na volta, mas não és, porque eu conheço-te como tu não te conheces, do modo que tu odeias que eu te conheça.
Conheço-te de um ponto além do céu azul e caiado,
Que verte secura e morbidez sobre teus cabelos desmaiados pelo tédio,
De um ponto além do sair-se de casa e do viver-se e morrer-se um pouco mais longe,
De um ponto além das maneiras dos universos e dos casamentos felizes.
Conheço-te de onde eu não sou mesmo sendo,
De onde não sei conhecer-te,
E de onde tudo isso não tem importância alguma.

Corso
Enviado por Corso em 20/11/2007
Código do texto: T745338

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Corso
Balneário Camboriú - Santa Catarina - Brasil, 34 anos
19 textos (288 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/17 05:51)