Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Dignidade

Meu Deus,
Que nos seja permitido morrer com dignidade,
Se não nos é possível viver com dignidade.
Se não nos é possível uma vida num campo,
Nas margens dos mananciais manchados de rosa pelo crepúsculo
Sem que precisemos, cansados,
Fustigar a terra com enxadas rotas
Através da vida,
Extraindo açucares que outro leva à boca,
Que haja paz em nosso encontro com o mistério,
Ao menos.
Meu olho pesa.
Minha vista oscila,
Porque vejo o que não quero e não me é permitido escolher,
Porque sem querer vejo morrer de fome
Aquele que planta,
E gordo aquele que espera.
Como acostumar-me a isso?
Que razões para acreditar que isso é o certo e assim deve ser?
Por que a culpa me ataca toda vez que é frio e eu solto meu corpo sobre a cama
Cálida, como se o deitar-se sobre a cama cálida
Fosse crime hediondo?
O que será que eu não quero saber, mas sei?
Minha fortuna é um vício
Ou é o mínimo?
Devo proteger-me do sol,
Quando o sol foi-me dado de graça,
Ou devo aceita-lo por isso?
O que quereis de mim?
Às vezes, quando penso forte nos heróis,
Resta o homem
E é como se perdesse o Cristo e a cruz em um rio escuro
E ficasse o menino,
Sozinho entre o estado que lacera e a nação que acolhe.
Ensinai-me a amar
Ou extrai de mim a compaixão,
Meu Deus,
E que nos seja possível ao menos morrer com dignidade,
Se não nos é dado viver dignamente.

Corso
Enviado por Corso em 21/11/2007
Código do texto: T746243

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Corso
Balneário Camboriú - Santa Catarina - Brasil, 34 anos
19 textos (288 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 13/12/17 19:20)