Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

poema disforme

quando se desencrava a palavra...
se alonga a tarde
se alargam as luas
um desancorar de ancas,
um adensar de poros
um roçar de patas
um refolhar de asas...
agônica nas inconsoláveis noites
ganindo silêncios
remoendo o nada
rebento na carne uns cardos
um corte de ilhas
diante dos olhos, imigrantes pássaros

meus pés me caminham até a morte
para o teu horizonte de íris
e sem alcançar o abraço, o beijo
o fremir do corpo, do gozo do ser
na tua compleição,
disforme peso de barro,
compacta composição que me escapa,
nessas horas plenas de distâncias
há um espremer até ao esgar da manhã
o que dizer? senão silêncios e alguma lágrima?


Alessandra Espínola
Enviado por Alessandra Espínola em 26/11/2007
Reeditado em 28/11/2007
Código do texto: T754123
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Alessandra Espínola
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
328 textos (27709 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 13/12/17 15:52)