Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Soneto XXXIII

Chego ao fim! Termino aqui minha jornada
Cabeça erguida, no peito a tristeza flui
Por amante, por maldito, que sou e que fui
Chego às trevas, chego à morte, ao nada.

Ao vinho, à melancolia, até mesmo a Jesus
Dedico, também aos amigos, humildemente
E que sejam mais humanos do que gente
Que não se enganem pelo que morreu na cruz.

Chego ao fim, amando mais, bebendo
Do vinho que é meu sangue sagrado
Da lua que, minha noite, vai enobrecendo.

Sim, amo a morte, amo a tristeza, o desamado
Amo a melancolia, o obscuro, o horrendo
Amo pois sei como é amar e não ser amado.

Júnior Leal
Enviado por Júnior Leal em 30/03/2005
Código do texto: T8635


Comentários

Sobre o autor
Júnior Leal
Lagoa Santa - Minas Gerais - Brasil, 35 anos
958 textos (33220 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 28/09/20 23:20)
Júnior Leal