Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Às Quebradeiras

Quebradeiras de coco quanto sufoco no seu dia-a-dia,
Desbravando cerrado sofrendo caladas sem rebeldia:
Têm Joana, Joaquina e Maria de machado virado pro céu
E soquetes nas mãos, buscando sustento no alimento ofertado
Por fazendeiro ou patrão; almoçam farinha com pimenta
Malagueta, mostram-se felizes, ocultam-se caretas.

Joana tem três filhos, Joaquina quatro e Maria doze;
Maridos desempregados, o corte da cana acabou, estradas
Foram construída e em frente de obras ninguém mais se falou
Depois que a tecnologia no roçado para o abastado chegou.

No final do dia, Joana, Joaquina e Maria lembram-se das canções
Que quando criança cheia de esperança para ninar, cada uma delas,
A mãe cantou; de balaios nas costas, todas vão à cidade
Vender o colhido para alimentar os filhos e desocupados maridos.

Fazem sociedade para comprar um quilo de comida;
Partem-se pacotes ao meio, de açúcar ou centeio
Para continuar a vida e cheias de emoção, cantando
A mesma canção continuam-se desnutridas.

Salve Joana, salve Joaquina, salve Maria e quebradeiras
De cocos menos conhecidas... Enfim, salvem-se todas
Que na luta pela sobrevivência preservam a vida.
R J Cardoso
Enviado por R J Cardoso em 29/10/2007
Reeditado em 29/10/2007
Código do texto: T714423
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
R J Cardoso
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
3212 textos (83207 leituras)
2 e-livros (439 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/12/17 16:50)
R J Cardoso

Site do Escritor