Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Derrepente talvez, Zezinho



... Pôxa, Zezinho, é bom saber que te inspiro
Que eu tomo corpo em tua mente,
Sei eu, que demente ser jamais serei
Por qual ventura, talvez, viva eu de forma impura
Nos meus escritos, nos meus pensar.
São meios que eu encontro de me revelar;
É o outro lado da minha face que arde de,
E por tanta vergonha.
São os dias que começam e passam em minha vida.
É a vida que se perde nesses dias
De feridas crônicas e estúpidas.
... Pôxa, Zezinho, eu me perco na caneta
Mas na idéia eu me encontro,
Pode ser que pra seu espanto, derrepente talvez,
Eu não esteja nesse planeta.
Obrigado meu amigo.

Vicente Freire – 26/08/1982.
Vicente Freire
Enviado por Vicente Freire em 25/11/2007
Código do texto: T751464

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Vicente Freire
Belford Roxo - Rio de Janeiro - Brasil, 63 anos
280 textos (22943 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 12/12/17 08:40)
Vicente Freire