Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A TERCEIRA SINFONIA

Já não podia encarar meu próprio coração, sem renovar tão encantado som
E divagar em busca de teu tom, pra fazer música que a mim te transportasse
Preso a esse impasse, tentei pacificar o íntimo e saudoso armagedom
Contraditório e bom, pra que tua luz tão perfumada e marrom, me retornasse!

Até que imensamente fraco eu me tornei, a ponto de ser forte
E reabri o corte pra derramar das veias os teus fascínios invasores
Assim ouvi o som das flores e a orquestra sinfônica da sorte
A solidão, com seu amargo gosto de morte, fugiu ao alarido de teus tambores!

Foi tríplice melódica toda essa pródiga ventura surreal
Uma conspiração de vida letal, onde o destino toda fronteira atenua
Ao ver-te linda e nua, fui ébrio regado por tua voz sensual
Várias horas de alucinante festival, onde toda minh’alma foi tua!

A distância até que persiste, mas a nossa canção jamais anoitece
Só quem te conhece é que te enaltece a grandeza, ó minha linda pequena
És magnífica cena, um jardim que em meus sonhos floresce
És o sol que me aquece, amor que ao te ouvir reverdesce - és tarde morena!

**************************************************************
                  Reinaldo Ribeiro - O Poeta do Amor
Reinaldo Ribeiro
Enviado por Reinaldo Ribeiro em 11/08/2011
Código do texto: T3153186
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Reinaldo Ribeiro
São Luís - Maranhão - Brasil
1975 textos (151682 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 14/12/17 17:53)
Reinaldo Ribeiro