Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

PERDOEM-ME!

Perdoem-me os que carregam
a lepra de seus ex amores
Os marcados pelas chagas
das ‘mentiras bem-vindas’
Na verdade dissabores,
pois que amor não é doença
e nem mera falação
amor é a jurisprudência
da vida
.
Mas perdoem-me
a, talvez, insuportável
expressão de doçura em meu rosto
e na luz de meus olhos e boca
ao declarar
por minha perceptível devoção,
ao afirmar por minhas atitudes
que eu amo alguém

Perdoem-me,
mas não posso acompanhá-los
em sua descrença,
pois não fui vencido
pelo fel de um desenlace...

Portanto:
Não sei amar sem ser devoto!
Não sei amar sem dizer que amo!
Não sei amar inerte!
Só sei amar amando...

E aonde já se viu
poeta amar em completo silencio?
Poeta amante e calado
é pássaro afônico, cego e aleijado...

E a ti, minha doce amada,
também me perdoe,
se acaso chego a estorvar,
estando eu sempre poetando,
mas quando falo de amor
não falo apenas para o teu agrado,
mas de tão cheio, o meu peito,
de amor por ti.
Meu coração não suporta
tanta ternura e explode
Explode em desejos
estampados no brilho de meus olhos
E explode em minha boca
que diz um feliz e espontâneo:
- Eu também amo!
CARLOS HENRIQUE MUSASHI
Enviado por CARLOS HENRIQUE MUSASHI em 16/11/2012
Código do texto: T3989723
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre o autor
CARLOS HENRIQUE MUSASHI
Aracati - Ceará - Brasil
34 textos (971 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/08/21 14:54)
CARLOS HENRIQUE MUSASHI