NAMORADOS DE OUTRORA

NAMORADOS DE OUTRORA

Noite calma, o silêncio orquestrava aquele lugar,

Um recanto bucólico para o amante em exultação,

Na dileção da donzela se enleava em conquistar,

Nos bancos da praça, a preferida do seu coração.

Eram flertes bem velados, um poema a declamar,

Ritual dos enamorados, a mais viridante sedução.

Do coreto se contemplava os casais indo passear,

De mãos-dadas e em pares, iam em toda direção.

Lirismo de uma época que hoje passo a lembrar,

Deste lindo amor poético em grande veneração,

Havia encanto, havia beleza, uma união a fulgurar,

Era o tempo das pucelas, convictas por devoção,

Nostalgia da pureza, da cândida virgem ao altar,

Vestalinas de agora! Por que esta transformação?!

Rivadávia Leite