Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Fim de expediente

Corre pra casa, amor
Que a rua está perigosa,
A vida anda difícil
Tem bandidos, tem horror
Há polícia, manifestantes
Idiotas, debutantes
Palhaço, poeta e ator
Há prefeito, vereador
Tem de tudo nessa rua...

Tem médico,
Tem até professor
Só não tem governador
Nem presidente, ou senador
Ah, muito menos deputado.

Estão todos escondidos
Em gabinetes no Senado
Nem aí pro que há de nós
Vem pra casa, amor
Que aqui, é a gente que importa
A sensação de fechar a porta
E aliviar nosso cansaço
Enquanto os jornalistas
As prostitutas, os humoristas
Disputam queda de braço
Pra saber quem tem razão.

Enquanto isso o povão,
Dança um funk sossegado
Pra desgosto meu e seu,
Num alto falante potente
Com luz de gato ligado
Do poste da vizinhança.

Vem, vem pra casa
Pra gente jantar e dormir
E tentar descobrir um jeito
De viver com mais respeito
Do que eles dão pra nós...
Pelo menos por enquanto,
Ainda estamos a sós.

Pelo menos por enquanto.
Odemilson Louzada Junior
Enviado por Odemilson Louzada Junior em 15/08/2013
Código do texto: T4436229
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Odemilson Louzada Junior
Niterói - Rio de Janeiro - Brasil, 45 anos
299 textos (14035 leituras)
1 áudios (33 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/10/19 21:46)
Odemilson Louzada Junior