Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O Poema que Virou Pó

Poema que na beira da estrada
pede carona para qualquer lugar
aonde quer vá, não vai dar em nada
porque este poema não sabe falar

Enquanto o dedo apontado espera
e a primavera passa lenta
o poema se espanta e se apimenta
na tonalidade das gérberas amarelas

Na doce magia azul
de um céu que se incendeia na paixão
é o brilho da noite de lua
olho que flutua no céu
e no coração
a brisa suave que vem da rua
e o poema se enche de emoção

E assim o poema que nada pode dizer
no esplendor da utopia
de mesmo sem falar... viver para ver
quando chegar o dia
logo após o outono
e ter fechar o paletó
o inverno estar às bordas do seu sono
e restará do poema apenas o pó.
alexandre montalvan
Enviado por alexandre montalvan em 22/01/2019
Código do texto: T6556543
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
alexandre montalvan
São Paulo - São Paulo - Brasil
637 textos (29065 leituras)
279 áudios (7619 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/07/19 16:48)
alexandre montalvan