Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A TEMPESTADE E A BONANÇA

Quando eu não volto
o mundo se faz estranho
sigo em frente, mas à deriva
do passar de muitos anos.
No mar de gente viva
as ondas me vão afundando,
galgando de ilha em ilha
vão se esvaindo meus desenganos
desfazendo-se a cortesia...


Marinheiro suburbano
rosto cravado de fadiga
olhos cheios e sonâmbulos,
corpo vazio de utopia,
sorriso murcho de desencanto.
De noite: são as vigílias,
de dia: o pranto cotidiano
do estampido das buzinas
ao estardalhaço do trânsito,
multidões nas esquinas:


A estibordo pessoas fumando,
a bombordo mulheres suicidas,
a popa crianças chorando,
a proa ausência de perspectivas;
uma maré de saudade afogando:
o que resta de sonho e alegria
flutuam nos destroços dos nossos planos.


Avistam-se bandeiras de hipocrisias
piratas sedentos nos atacando
neoliberais e porcos nazistas
em ódio vivo eles vem surfando,
proliferando pós modernistas
que burrice: vão se neutralizando!
Tomam o mar as massas mistas
De crentes fascistas que adorando
Juntam as mãos fazendo arminha
Metralhando cada pobre ser humano
de sua crença no deus da tirania.


Eu vejo a tempestade se aproximando
penso: que se dane a chuva, a ventania
prorrompam os céus se acabando
que há de vir a calmaria
porque eu estou voltando
pra te dizer minha doce amiga
é só você meu oceano!
Diego Duarte
Enviado por Diego Duarte em 09/04/2019
Código do texto: T6619676
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
Diego Duarte
Ananindeua - Pará - Brasil
401 textos (7789 leituras)
3 e-livros (135 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/19 20:17)
Diego Duarte