Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Amor na noite solitária

Ele:

Recrudesceu o ímpeto do vento na janela
Batem impotentes as persianas na sacada
E eu sempre aqui solitário, pensando nela
Aquela mulher ansiosa, distante, amada...

E recomeça a chuva insistente, caindo gelada..
Um arrepio estranho percorre meu corpo faminto
Um lamento diferente ecoa na casa desolada
Mas que sensação ardente, no ar gelado, que sinto?

Fico quieto, coração galopando, corpo fremente,
Sentado, sem ousar mover-me, tenso, expectante
E sinto um leve e doce aroma no ar agora quente
Será o perfume dela, da minha desejada amante?

Sinto um toque ardente no meu corpo anelante
Sangue quente em tropel nas veias circulando,
Ah...são as suas mãos numa carícia vibrante
Ah...é a sua boca macia, meu pescoço, beijando..

Ela:

Doce amado que aqui estás tão solitário e triste
Nesse teu labor e magia, de a todos alegrares,
Vim para te dizer que o amor ainda existe
E que estou aqui para o meu corpo usares...

Vê, amor da minha vida como te quero
Deixa-me o teu peito fatigado acariciar..
Em ternos e molhados beijos que espero
Por todo o teu corpo moreno, espalhar..

Com a minha língua, curiosa e ardente,
Vou a tua boca faminta, agora explorar...
Quero deixar-te saciado, feliz e contente,
Fazer-te um homem novo, feliz por amar,

Vem, toca meu corpo maduro e d'alma ansiosa..
pelo teu toque vibrante e faminto experimentar..
Faz de mim a tua mulher, fofa e desejosa
De te sentir ardente e latejante me penetrar...

Ah meu amado há tanto tempo, que te espero..
Vem, quero unir-me a ti, em doce rendição,
Loucas promessas em momentos de desespero
Juradas e mantidos com amor, desejo e paixão...




Arlete Louro
Enviado por Arlete Louro em 03/11/2005
Código do texto: T66880


Comentários

Sobre a autora
Arlete Louro
Alpiarça - Santarém - Portugal, 64 anos
245 textos (37652 leituras)
3 áudios (202 audições)
5 e-livros (297 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 27/11/20 08:56)
Arlete Louro