Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A MÃE

Nota: este poema foi originalmente publicado nesta escrivaninha em 24/4/2015 e ora é reeditado com o acréscimo de trabalhos notáveis das colegas recantistas Maria Eugenia Santos e Isabelle Mara.


A MÃE
Miguel Carqueija


Me diga se há no mundo
melhor coisa que ser mãe;
viver este amor fecundo
e ser chamada mamãe!

Meu marido e eu tivemos
três adoráveis anjinhos;
e assim todos nós vivemos
trocando muitos carinhos.

Levar na escola, vestir,
ajudar no estudo enfim,
é motivo pra sorrir,
é muita bênção pra mim.

Brincamos com o cachorrinho
e as crianças dão risada;
— Pega essa bola, Riquinho!
E ele corre pra sacada.

É tão bom ter pequeninos
pra interagir com a gente,
no Natal tocam os sinos,
hora de abrir o presente.

Vamos tomar o sorvete,
mas sem pressa, ele é gelado!
Aprendam que o macete
é ir lambendo no lado.

Vamos no esconde-esconde?
Raquel, vá lá se esconder!
Mariana foi pra onde?
Augusto, não podes ver!

Domingo é dia de igreja,
não vamos fazer por menos;
que descansar, ora veja!
Deus ama ver os pequenos.



É bom passear no campo,
conhecer a natureza.
— Aquilo é um pirilampo!
— E um louva-a-Deus, com certeza!

Criança é um bichinho terno
que dá gosto conviver:
nos traz calor no inverno,
vocês têm que ver pra crer.

Ternamente nos amamos
e eu vivo entusiasmada;
e quando juntos brincamos
topo até ser amarrada!

Assim fico quando jogam
de índio txucarramãe;
as amarguras se afogam,
é tão gostoso ser mãe!

No fundo eu tenho receio
do que o futuro trará;
que o joio mate o centeio,
e a nossa paz findará.

Nuvens negras sobre a Terra
podem varrer nosso ninho:
ó Deus, mantém longe a guerra
com todo o seu torvelinho.

Nós confiamos em Vós,
protege sempre este lar;
que desde nossos avós
sempre Vos foi um altar.

Que os nossos filhinhos cresçam
com amor e segurança,
com sabedoria teçam
um caminho de esperança.

 



 
MÃE

 
(Maria Eugenia Santos)
 
Mãe o que falar de você
Que doou sua vida
Para me ver nascer!
 
Mãe gostaria que você
Vivesse para sempre!
Sei que com muito amor
Carregou-me no seu ventre!
 
Mãe de ti recebi amor eterno
E para você todos os anjos dizem amém!
Hoje posso dizer com muita alegria
Que já sou mamãe também!


 
Maria Eugenia Santos, comecei a escrever poemas e um livro aos 17 anos de idade, inspirada em um livro de poemas de Álvares de Azevedo.
Na época eu guardei as poesias e infelizmente dei fim no livro e parei de escrever e somente agora retornei à escrita.
Faço parte da Confraria Literária Newton Sampaio (COLINS).
É um grupo de escritores do norte pioneiro do Paraná, que estão se unido e nessa união levam o nome do brilhante escritor Newton Sampaio da cidade de Tomasina, Paraná.





 
REALIDADE
Isabelle Mara

Ser mãe, por mais que pareça
não é ter um paraíso 
pra reinar e pra viver.
São deveres, compromissos...
Apenas sobreviver
com direito a sacrifícios.
Ser mãe não é ter descanso
é viver contando as horas,
é inventar mil arranjos,
tiras espinhos de rosas,
é superar desencantos,
esconder quando a alma chora,
ter poucas horas de sono 
enquanto o filho é pequeno,
esquecer os desenganos
ou torná-los mais amenos,
transformar a dor em canto
adoçar o sal do pranto...
Ser mãe não é ser rainha
mas escrava dos deveres
é estar sempre sozinha,
abdicar dos prazeres,
renunciar quase sempre
a todo e qualquer direito,
fingir sempre estar contente
e pra tudo dar um jeito.
De tristeza às vezes chora
fingindo que está serena,
vê a existência indo embora
por uma estrada pequena
a que a vida lhe ofertou...
Devagar seguir sozinha
com os sonhos que sonhou
e algum que ainda tinha
pelos caminhos ficou.
Ser mãe não é ser rainha,
nem viver num paraíso,
é estar sempre sozinha
honrando seus compromissos.
Ser mãe é viver sonhando
com o  que idealizou,
passar a vida lutando
por aqueles que amou,
transformando a dor em canto
e sempre cantar o amor.







ISABELLE  MARA - uma mulher terrivelmente sonhadora, orgulhosamente nordestina do Ceará onde foi revelada no que se refere às letras, pelo Professor e Jornalista JOSÉ ALCIDES PINTO a quem intitulou de MOÇA TRISTE e a comparou a AUTA DE SOUZA.

 
Imagens 1 e 2: pinterest. 3, foto de Maria Eugenia Santos e seu bebê Mateus: gentilmente cedida por Maria Eugenia Santos. 4, pixabay. 5, foto de Isabelle Mara, gentilmente cedida por Isabelle Mara.
Miguel Carqueija, Maria Eugenia Santos e Isabelle Mara
Enviado por Miguel Carqueija em 09/01/2019
Reeditado em 09/01/2019
Código do texto: T6547005
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Miguel Carqueija
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 70 anos
2800 textos (157907 leituras)
55 e-livros (4840 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/06/19 16:18)
Miguel Carqueija