Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Aprender a te esquecer: clarividência


                      Clarividência

Fique mais um pouco ao meu lado,
Você parece um anjo enquanto dorme
Não sei o que seria de mim sem você,
Você também se esqueceu dessas frases?
É difícil encarar essa cama tão ausente do teu corpo
Sempre falta alguma coisa
Falta você no meu mundo
E as palavras que foram ditas
Não podem mais ser silenciadas.

Queria te mostrar hoje o quanto você estava errado ao meu respeito,
Nosso filhinho ainda tão inocente da maldade das pessoas
Já nos odeia, precocemente.
Queria te provar que te amo muito mais do que antes,
E se existe um crime hediondo no mundo
Esse crime é a traição
É imperdoável trair a si mesmo
Trair ao que se sente
Trair ao que se acredita é inaceitável.
Construir o caráter de uma criança por meio de imagens e opiniões falsificadas
Pela nossa mágoa que conservamos um do outro.
Quem é o culpado pela nossa infelicidade?
Saber quem é vai modificar o que foi feito?

A saudade pode levar até mesmo uma alma inteligente e forte
Para o cais do Desespero.

Tudo o que vejo nesse instante se torna já em si o passado,
Um passado relembrado inutilmente,
Um passado enjaulado na memória em vão,
E o amanhã é um abismo sem ponte,
O amanhã será nossa vitória invencível,
Será nosso triunfo sem troféus,
O amanhã será as lágrimas que nos darão tarde demais,
Mas o amanhã jamais existiu,
O amanhã é a sombra nefasta da morte a nos fazer caretas,
O amanhã é a ampulheta que nosso braço hipotético jamais alcança.

Vontade angustiante de te beijar de novo,
De te ter em mim,
De sentir tua pele queimando minha alma,
E minhas unhas rasgariam o véu da Hipocrisia e o do Rancor
que nos afastou um do outro meu amor.

Lembra da primeira vez que nos beijamos?
Estava tão nervosa, aflita,
Mas me sentia viva, e muito feliz.

Nosso filho dorme.
Ele se parece tanto contigo.
Nosso filhinho nunca nos perdoará por não ter nascido.
Saio de casa com as mãos nos bolsos,
E saio de casa na esperança de não ter esperanças por você voltar.
A estrada asfaltada de minha decadência adormece o meu olhar.


A saudade pode levar até mesmo uma alma inteligente e forte
Para o cais do Desespero.


GILLIARD ALVES

gilliard
Enviado por gilliard em 24/08/2007
Código do texto: T622248

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
gilliard
Acaraú - Ceará - Brasil, 37 anos
398 textos (65688 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/12/17 11:44)
gilliard