Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Ser demente

Que se julga podereso
Invade espaço
Na madrugada
Quer destruir.
Agride com palavras
Fere, maltrata
Demente  e dopado
De raiva e ódio
E cóleta possuido está
Por raiva em rancor.
Cego em demência
Grita, repudia
Como se fosse senhor
Filho das trevas.
Esquece o passado
Do amor a seu lado
Com frutos construiu.
Agora demente
Insano, se faz de inocente
Usa de meios, abusa do poder
Ameaça, agride
Invade, reprime
Se julga valente
Fere, o demente.
O Ser Deus do horror
Medo traz!

Onde está a capacidade do ser humano em discernir, como pode se julgar poderoso invadindo a privacidade de quem nem se quer nota sua presença, por tão insignificante se tornar porque tamanha é sua maldade e crueldade? Peço apenas a Deus que faça sua obra, pois assim  termina de vez esse calvário.


Cláudia Franco
lindamulher
Enviado por lindamulher em 27/08/2007
Reeditado em 27/08/2007
Código do texto: T625512
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cláudia Aparecida Franco de Oliveira). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
lindamulher
Itirapina - São Paulo - Brasil, 58 anos
1582 textos (131227 leituras)
3 áudios (323 audições)
4 e-livros (305 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/17 22:50)
lindamulher