Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Usurpação

Violou-me, rasgou-me, sufocou minha juventude;
Roubou minha inocência;
Diluiu,degradou minha verdade;
Mutilou meus órgãos, rasgou-os em pedaços;
Beijou-me com seus bordos culpados, manipulou minha cabeça;
Amarrou-me nos nós que sabias que eu não poderia desfazer;
Sussurrou o doce, promessas falsificadas, até que eu caísse apaixonada;
Vestiu-me acima da vergonha e da culpa;
Girou o alimento em um crime;
Convenceu-me que era preciso manter-te aqui;
Fez-me mentir, gritar;
Removeu minhas esperanças em seres fidedigno;
Nivelou minha vantagem, Doce Homem da Corte;
Pareces sempre ganhar.
Do meu modo, te coloco a sua maneira;
Sabemos quem você é: azáfama.
Dissestes que isto foi o que quis, e do vácuo locupletou-me.
E quando te falei: - "Tive uma mente..." - e todo meu ódio foi derramado...
Olhou-me nos olhos e disse:
-"Não é violação quando estás disposta a tudo".
(...)
D'autre, je encore vivant...
Lorrayne Renho
Enviado por Lorrayne Renho em 30/08/2007
Reeditado em 30/08/2007
Código do texto: T630449

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, desde que seja dado crédito ao autor original (citar o nome do autor e o link para a obra original) e as obras derivadas sejam compartilhadas pela mesma licença. Você não pode fazer uso comercial desta obra.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Lorrayne Renho
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 32 anos
28 textos (991 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 12/12/17 18:06)
Lorrayne Renho