Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Cristais com batom

Dos olhos, uma chuva delineia enxurradas no meu rosto.
Sulcada, minha alma pisoteia a argila das lamentações. Das janelas das saudades, apenas a vista cansada da estrada vazia. Tantos jardins em sonhos, mas nada de flores para serem realmente jardins.
 
Há luares nas pinturas e nas poesias, mas nada de luz real.
Noite é tapete de estrelas sobre o solo das mentes lamuriosas.
Esvoaçam tristezas nas brisas suspensas
e incrédulas de serem ventos um dia.

Nos campos vazios do amor, apenas a ilusão sorri, toda inocente para as dores. Um solo de violão arrebenta cordas de silêncio e pinga uma canção. Danço na quietude do salão vasto da ausência. Sem ritmo, sem tom, sem cor. Cambaleio no entrelace das pernas sonhadas.

Poesia sem métrica! Atiro-me no absurdo das palavras amargas.
Passeio lábios, nas bordas das taças sujas de batom, há vários dias.



Takinho
Enviado por Takinho em 09/09/2019
Reeditado em 09/09/2019
Código do texto: T6741302
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Takinho
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil, 42 anos
260 textos (96849 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/09/19 18:20)
Takinho