Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Semblante moribundo

Ninguém viu tua dor inebriante,
Pobre ser profano, mundano,
Que na glória extenuante
Abre caminho a galope insano.

Cortara altivos sonhos que adiante,
Em silêncio místico, estaria meditando
Na cruz simbólica do amor amante:
Vivendo, sofrendo, amando.

Ninguém viu teus últimos passos
De sorte, de vida, sempre inquieto
Em aterradores prazeres do mundo.

Mas viram os últimos dos últimos abraços
No corpo há muito secreto,
Em ardores do semblante moribundo.


Mayke M. Rezende
Mayke Medeiros Rezende
Enviado por Mayke Medeiros Rezende em 26/10/2007
Código do texto: T711490

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Mayke Rezende). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Mayke Medeiros Rezende
Guapimirim - Rio de Janeiro - Brasil, 27 anos
34 textos (2249 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 12/12/17 20:43)
Mayke Medeiros Rezende