Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

REVISITANDO

Encontrar-te depois de tantos anos
É uma emoção estranha, nova, indefinida.
Como se o tempo tivesse aplacado os ânimos
Já não arde a chama que antes ardia
Não me consome a paixão que antes consumia
Claro que o ar congelou nos pulmões
Quando confirmei que era você mesmo
Mas foi um lapso, um segundo de consternação.
Em que relembrei toda a nossa história
Minto... A minha história!
Um conto de amor platônico unilateral
Gerado pela minha imaturidade sentimental
Quantas coisas com você e por você eu aprendi!
Desatino de paixão que nunca mais senti
Mas, te revisitando...
Foi como abrir o álbum de fotografias
Vi-me de novo ingênua, jovem e tão segura de mim.
Tão disposta a cometer loucuras de amor
Era tão intenso e devastador o que eu sentia
E você era o epicentro, meu chefe, meu senhor...
Difícil até de acreditar que acabou assim
Lembrei do início, o antagonismo que sentia por você.
Mistura de antipatia e atração
Química volátil essa do tesão!
Meu Deus! Você foi um pecado mortal
Apaixonar-me foi o ápice da insensatez
Foi um “marco”, uma paixão total.
Sabe que nunca mais me permiti essa loucura?!
Lição aprendida a duras penas
Mas que valeu, ah... Valeu toda a pena!
E como penei e padeci de saudade
Cada nova desilusão te trazia de volta
Queria te procurar e lutava contra essa vontade
Refazia-me e procurava outra porta
E quantas mais se abriram, amei outros homens.
A experiência foi chegando com a idade
Já não te lembrava mais com a mesma intensidade
Colecionei aventuras, adquiri um “que” de maldade.
E ainda não sei se aprendi a amar
Mas sei que aprendi a me amar
Outros amores vieram e foram vivenciados
Com tamanha intensidade e alegria
Que não me permiti guardar rancores
Cada um deles ficou bem marcado
Sempre têm espinhos nas mais belas flores
Mas o amor sempre tem aroma de magia
E finalmente, te revisitando...
Pude notar como finalmente amadureci
Você é uma linda recordação
A foto emoldurada da minha coleção
Não vou dizer enfunada que já te esqueci
Não... E nem quero mesmo esquecer
Me faz bem lembrar como doeu crescer
Traz-me um sorriso lembrar esse passado
Loucuras da juventude, amor desajuizado.
Mas tão lindo! Tão intenso e profundo
Que seria profanação tentar deserdá-lo
Que bom saber que pude senti-lo
Que bom saber que não vou resgatá-lo
Faz parte da estória... Meu passado
E eu vivo o presente... Muito bem conquistado!
JUNO
Enviado por JUNO em 18/10/2007
Reeditado em 18/10/2007
Código do texto: T699136
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
JUNO
Mairinque - São Paulo - Brasil, 49 anos
45 textos (2031 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/12/17 21:10)
JUNO