Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Nós

nada daquilo foi um sonho
                             eu, que nasci sem asas
e num vôo rasante pousei
                             para alçar mais vôos e vôos,
por instantes parecia desperto
                             disperso por mares os quais
me confundo, aqueles que nunca
                             navegados e sou oras sal, outras
                             peixe, oras maré... albatroz...
que descartes, finges que é sonho
que o sol poente me testemunha,
                             nada atrela ao... e pouco se,
                             quando muito, ainda que... eu
natureza que chovo e me molho,
que tronco, jangada e que rio,
                             que navego, naufrago e me salvo,
                             torno e caio... tropeço que sou,
diagnóstico da doença e cura
que tenho aqui, bem dentro de
                             mim certezas, mim tonturas,
                             mim cloreto de sódio e potássio,
eu pronomes possessivos em
viadutos de sangue colesterilizado,
                             eu que não sonho: existo
                             e insisto nisto; neste incesto
de exércitos em pleno exercício,
que exerço meu ofício,
                             malefício e benefício de mim,
                            eu que fumaça, que pó e que pingo
numa lágrima e sou pranto...
num sorriso primavera...
                             que espero ônibus e sou ponto,
                             que pergunto e respondo,
eu promontorius conceptorium,
eu príncipe, donzela e torre
                             fugindo de mim quimera no
                             mesmo eu conto de fada  e
que creio no tudo e no nada;
que quando acordo sou deus,
                             quando durmo vou até ele
                             e quando poeta Jesus Cristo;
partícula do todo, todo
fragmentado, todo unidade,
                             que verbo, coisa e qualidade
                            advérvio atemporal na eternidade,
objeto direto de mim e
indireto do eu, finito no homem,
                             máscaras do teatro grego,
                             ego, medo, id e super homem,
eu pomo de adão, eu calcanhar
de aquiles platônico,
                             aristotélico e nietzschiniano,
                             terráquio e marciano,
eu cansaço, eu
sono, eu sonho...
                             Não, nada disso é um sonho...
Celso Godoi Neto
Enviado por Celso Godoi Neto em 31/03/2006
Código do texto: T131425


Comentários

Sobre o autor
Celso Godoi Neto
Porto União - Santa Catarina - Brasil
76 textos (4888 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/04/21 07:50)
Celso Godoi Neto