Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O BARCO DAS ILUSÕES


Fito o barco a desprender-se do cais
levando todos meus sonhos,
a buscar farrapos de ilusões

Com a alma tecida de espanto
dispo a minha realidade
em um cantochão

Faço das docas meu templo
— banho-me em bacias de bronze
em danças de querubins

Siga, barco,
a procura de adamastores
com seus místicos astrolábios

Desvenda ilhas de jade e
encontra teu destino torto!

Assanha insetos e leões
em tuas derrocadas!

Deixa-me largado na areia
cercado de pedras, a traduzir
as bifurcações dos meus sentimentos!

Quero gemer os partos indivisos,
lavando e esfregando o fero fogo
em pétalas incandescentes

No torvelinho desse braseiro
e nas ossadas expostas de razões,
procuro as meretrizes doutros sonhos

Em vão!

Digladio entre touças do jardim
ferindo o braço,
desencavando máscaras sotopostas,
incensando o porão e o sótão,

mordendo lábios que gotejam ais,
me dando sem medidas com plenitude e abundância,
bebendo um copo do amargo mar

De mãos dadas com a aurora e a tempestade,
palmeio leques de céu laminado de chumbo

Na boca, o gosto de cravo,
saliva grossa de outras águas
em cataratas a escrutinar o sabor das harpas

Que se desgrenhe e desalinhe
em formas abstratas!

Siga, barco,
teu caminho incerto por desconhecidos mares!

Carrega no teu bordo minha viola muda!
Evapora em placas disformes nas curvas do horizonte!

Deixa que o braço, o cais, o jardim, as touças
me devolvam o cristalino e doce ouro!

Deixa-me só
com as mãos envernizadas
a despertar segredos!

© Fernando Tanajura
Fernando Tanajura
Enviado por Fernando Tanajura em 02/06/2006
Reeditado em 12/02/2016
Código do texto: T168248
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre o autor
Fernando Tanajura
Estados Unidos
1631 textos (163469 leituras)
1 e-livros (179 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/03/21 12:14)
Fernando Tanajura