Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Do sulco e do arado



Eu estava no campo, vestido de Adão
com o rosto iluminado pelo sol da manhã
observando o orvalho sobre o verde
e, apesar disso, me sentindo medíocre.

Atrás de mim estava no chão apenas um sulco.
Minha linha de vida, riscada na terra nua
torta como um caminhar bêbado.
Uma visão que me faz chorar no sonho.

 Vestígios...  Minha vida só poderia ser esse rasgo no chão.
Olhei para a faixa,  cada lição não lida
todas as dores de expurgo  que eu remendava
e, infelizmente, fiquei sozinho nesta  contemplação

Ainda me espanto
com as capacidades que não deixaram de crescer.
como o capim no campo.
Ainda me espanto
com o arado que caleja minha alma.

Como Adão, comi do fruto proibido
da árvore do conhecimento
mas não fiquei particularmente interessado.

Segui o sulco em toda sua extensão.
Cada passo era assustador e claramente marcado
e nunca fiz alarde
meu campo visual ocupado apenas
em enganar meus miseráveis racionalismos.

 Talvez seja o momento de acordar...
Mauro Gouvêa
Enviado por Mauro Gouvêa em 10/03/2010
Código do texto: T2131202

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Mauro Gouvêa - www.recantodasletras.uol.com.br/autores/maurogouvea). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Mauro Gouvêa
Alfenas - Minas Gerais - Brasil, 54 anos
432 textos (60389 leituras)
3 áudios (884 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/19 09:25)
Mauro Gouvêa