Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CAUSA MORTIS


                               

Me chapei de tanta letra
e deu mutreta, treta.
Fumei todas as pedras do caminho
lendo Drummond.
Injetei altas doses de Manoel
e dei Bandeira.
“Cheirei” Neruda a noite inteira
e “viajei” nas cordilheiras.
Me internaram em uma clínica de recuperação
mas fugi, quebrei as algemas
li a noite toda
centenas de poemas.
Fui parar em um
Poemódromo
eu e uns camaradas:
era soneto, rima, verso livre, haicai
a literatura estava “noiada!”
poema tá um pouco fora de moda
e o  vício é foda;
vendi meu celular e meu pc
pra comprar “uns quintana”:
mas só deu pra uma semana.
Novamente  uma desintoxicação:
"insta", twitter, televisão,
eu gritava: essa merda não!
Não me levem a mal:
sou analfabeto digital.
Então enfiei de vez a “mão na jaca”
sai de mim:
rimbaud, cecília,
carpinejar, silvestrin
tava virado numa traça
numa literária – carcaça
enlouqueci nas entrelinhas
e faleci no outro dia:
diagnóstico:
 - morri  de tanta poesia!
Alexandre Lettner
Enviado por Alexandre Lettner em 24/09/2017
Código do texto: T6123586
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Alexandre Lettner
Eldorado do Sul - Rio Grande do Sul - Brasil, 48 anos
135 textos (2556 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/12/17 18:54)
Alexandre Lettner