Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
Sem jeito
 
“Das palavras que apaguei
Tantas remanesceram
As rimas inutilizadas
Abandonadas e dilaceradas
Sobrevivem.”
 
O poema não quer ser mais poema
Quem sabe se perdeu no deserto
Nas grandes montanhas dos esquecidos
Nas antigas lendas do desconhecido.
Nas brumas do sonho sem leme.
 
O poema não se chama poema
Se de galhos em chuva pingam sentimentos
Se das encostas molham desejos
Se da penumbra brilham pequenas metáforas.
 
O poema reclama sem dono,
O adubo das letras na terra das pontuações.
Hiatos contínuos em copas de livros,
Pende a fruta madura que não edita.
 
O poema se desmancha sem ser ouvido,
Retorna sem pranto a chuva do dia,
Contorna a sarjeta e se esconde de viés,
Chama-se sem jeito.


Lorenzo Giuliano Ferrari
Enviado por Lorenzo Giuliano Ferrari em 01/11/2007
Código do texto: T718610
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Lorenzo Giuliano Ferrari
São Paulo - São Paulo - Brasil, 54 anos
1839 textos (51486 leituras)
1 áudios (2458 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/12/17 10:57)
Lorenzo Giuliano Ferrari